segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Um final feliz



Sei que este não é um assunto dos mais agradáveis, mas inevitavelmente é uma situação com que todos teremos que lidar algum dia. E não sei por que resolvi falar sobre isto agora, talvez por ver todos os dias o crematório, que fica bem atrás do prédio onde fica o nosso escritório. Mas o fato é que há algum tempo, eu e Bean conversamos a respeito, e ambos queremos ser cremados, quando morrermos.

Então li uma reportagem na Isto É, há um tempo atrás, muito interessante, mostrando algumas alternativas criativas para as cinzas resultantes da cremação. As práticas mais convencionais são a de se jogar as cinzas em algum lugar bonito ( mares, rios, bosques, parques) ou em algum lugar especial para a pessoa que morreu ou ainda guardá-las em urnas , aí já surgem uma infinidade de opções de acabamento (urna de ouro, de prata, de porcelana, de cristal, de madeira trabalhada, etc.).

Mas você pode querer fazer da morte do seu ente querido uma ocasião festiva, para isso basta transformar as suas cinzas em fogos de artifício. A empresa britânica Heavens Above foi pioneira nesse serviço. Dispõe de diversos tipos de “shows pirotécnicos” que duram em média cinco minutos e custam entre U$1,6 mil a U$3,3 mil !! A opção mais cara e suntuosa é chamada de Grand Finale, e a família pode escolher todos os detalhes: as cores e os formatos dos fogos, se será barulhento ou silencioso, enfim, um final cinematográfico.

Outra opção seria lançar as cinzas no espaço, isso mesmo, um final espacial, intergaláctico. A empresa americana Celestis oferece desde uma simples voltinha sideral, vôos simples com retorno à Terra até o lançamento total do que restou de nós rumo à imensidão do cosmos, pela bagatela de 12 mil dólares! E neste ano, anuncia novidades, um foguete fúnebre que leva as cinzas direto para a Lua, um desfecho verdadeiramente lunático!

Há também uma alternativa subaquática: outra empresa americana criou um cemitério submerso, inspirado na cidade perdida de Atlântida (santa imaginação!!), a 5 km da costa de Miami, para abrigar as cinzas de 125 mil mortos. As cinzas são adicionadas a um cimento especial para formar lápides em formato de blocos e conchas. Segundo a empresa, com o tempo, será tomado por espécies marinhas e constituirá um recife natural no fundo do mar. Terminar seus dias ao lado do Nemo pode custar até 6,4 mil dólares.

Finalmente a última opção parece ter sido inspirada na conhecida frase “os diamantes são eternos”. Nada mais lógico do que transformar-se em um para conseguir a eternidade!! O diamante feito a partir das cinzas do morto é chamado de diamante memorial e , a olho nu, não se vê a mínima diferença entre ele e o diamante natural. O processo consiste em submeter no mínimo 500 gramas de cinzas a uma temperatura de 1.500 graus Celsius e a uma pressão equivalente a de 600 km de profundidade no mar, para formar a pedra preciosa. A família pode acompanhar todo o processo e escolher também a cor e o formato do diamante. Como não podia deixar de ser, o final mais glamouroso é também o mais caro: custa 33 mil dólares!!!

Para finalizar o post, quero deixar o final que desejo para mim devidamente registrado. Quero que Crispim pegue meus filhos (e quem mais quiser ir junto) e leve minhas cinzas em uma viagem especial , de despedida, que aproveitem essa jornada para aplacar a tristeza e a saudade, para ficarem ainda mais juntos, unidos e tentar captar a essência de cada lugar, absorver o sentimento feliz, a boa vibração e lembrança que causaram em mim.
Bom, ainda não defini totalmente o roteiro, eles teriam que jogar um pouco das cinzas em cada lugar, mas, para começar, essa viagem teria que passar pela fazenda do meu avô Dadá, em Aroeiras e pelo castelo da Cinderela, no Magic Kingdom, ainda vou escolher um local que tenha praia e talvez um parque ou jardim em Paris (que eu sonho em conhecer desde pequena e pretendo ir tão logo possa). Com o tempo, posso incluir outros destinos, já que ainda tenho tanto para viver, opções não faltarão! Nada mais legal que fazer da morte um presente, uma chance de ver as belezas deste mundo, de cultivar o amor que existe entre nós , esse sim, eterno!!

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Guga,
    é mais fácil que você vire um tijolo ou enchimento de colunas dos prédios do meu tio!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Tô brincando, minha tia querida! Mas diamante vc nao pode virar, já que já é um extremamente polido, brilhante! Talvez a soluçao seja mesmo que espalhem as suas cinzas pelos ares do mundo, para que a Terra fique mais amena!E a morte, com viagens, menos impactante, o que é bem difícil, tendo em vista a pessoa tão especial e carinhosa que vc é
    BEijaoo

    ResponderExcluir
  3. É por isso que ele é o meu sobrinho favorito rsrsrs!!!! Muito obrigada pelos elogios, meu sobrinho mais que querido!

    ResponderExcluir
  4. Guga, eu não sei nem como comentar esse seu post. Interessante, por nos mostrar tantas opções póstumas. Engraçado, porque no final eu já estava morrendo de rir com suas ideias. Mas o melhor é que, se Deus quiser, vai demorar décadas e décadas, século até de preferência, para que sua viagem de volta ao mundo seja organizada e realizada.

    ResponderExcluir
  5. Guga, adorei o post!! Que bom seria podermos levar as pessoas que amamos, em um diamante penduradas no pescoço hein!!! Os fogos de artifício também foram bem originais.. rsrrsrs quanto a sua viagem, muito engraçado e legal também, mas amiga, vamos pensar na vida e vivê-la.. a morte a gente deixa para depois.. kkk bjs

    ResponderExcluir